segunda-feira, 17 de abril de 2017

SEM A OPÇÃO DAS BARCAS, OS INSULANOS VÃO CONTINUAR SOFRENDO NOS CONGESTIONAMENTOS PARA SAIR DA ILHA

       Os congestionamentos na Estrada do Galeão
complicam a vida dos insulanos

              Nesta semana, dois acidentes, na pista de saída da Ilha, envolvendo motocicletas e carros, além de uma blitz, por causa de um assalto, causaram sérios transtornos na vida dos insulanos. O problema não é novo, e é improvável que deixe de acontecer outras vezes, pela lei das probabilidades, em uma via de intenso trânsito principalmente no fluxo de saída na parte da manhã, como é a Estrada do Galeão.
              Manter unidades de socorro, reboques e agentes de trânsito de plantão diariamente poderia diminuir o tempo que a população fica presa nos engarrafamentos por acidentes, mas não resolveria quando, por questões de segurança, a polícia realiza blitz. 
              A redução de veículos na Estrada do Galeão, nos horários de maior movimento, poderia ser viabilizada com a alternativa do uso das barcas se esse transporte fosse confiável e tivesse horários para verdadeiramente atender a demanda de milhares de pessoas encurraladas dentro da Ilha todas as manhãs e a multidão de trabalhadores que retorna à noite.
            Todavia, com o governo estadual quebrado e a concessionária responsável pelo transporte marítimo na Baía de Guanabara desinteressada em promover melhorias no sistema, inclusive, já tendo manifestado reiteradas vezes que quer abandonar o negócio, as chances da alternativa do uso de barcas para desafogar o trânsito na Ilha praticamente inexiste, o que é um grande absurdo.
             Enquanto políticas públicas sérias não desenvolverem nosso sistema de mobilidade urbana com o uso de embarcações, o insulano estará refém da fluidez do trânsito na Estrada do Galeão.

MATERNIDADE NO PAULINO WERNECK É UM JUSTO CLAMOR DOS INSULANOS


O Hospital Paulino Werneck pode voltar a ter maternidade

              O abraço programado ao Hospital Paulino Werneck é uma boa iniciativa da população que não perde a esperança e a vontade de lutar por uma maternidade na região. Insulanos de todas as gerações são a favor e é inexplicável terem fechado, há alguns anos, esse setor essencial que funcionou durante muitos anos, justamente no Werneck.
             Agora com uma nova gestão na prefeitura, cujo prefeito Marcelo Crivella colocou como meta cuidar das pessoas, é a oportunidade para a reivindicação dos moradores obterem êxito. A vereadora da Ilha, Tânia Bastos (PRB), também já demonstrou publicamente preocupação com o tema e trata o assunto como prioridade do seu mandato. 
            É inconcebível que mulheres grávidas tenham que sair da Ilha para o acompanhamento de rotina durante a gravidez, como também não é aceitável realizar o parto fora da Ilha, com todos os riscos que os habituais congestionamentos na Estrada do Galeão e a distância podem provocar em casos de partos urgentes.
             Manter a pressão popular é essencial para chamar a atenção das autoridades de saúde para solucionar essa questão tão relevante para todas as famílias
insulanas.
             Recentemente, o Hospital Loreto chegou a ser cogitado para ganhar uma maternidade municipal, mas a necessidade de obras importantes inviabilizou o projeto, para não prejudicar o atendimento de excelência que às crianças portadoras de labioleporino recebem naquela instituição.
             A ideia do abraço ao Paulino Werneck é um ato cívico que merece a participação da coletividade.

ANIMAIS, COMO CAVALOS E PORCOS, SOFREM COM MAUS TRATOS E, SOLTOS PELAS RUAS, CORREM RISCO DE ATROPELAMENTO

Cena comum nas ruas do Tauá

             Na semana passada, o Ilha Notícias publicou na coluna Boca no Trombone a foto de uma vara de porcos circulando livremente por uma das ruas mais importantes do Tauá, causando espanto aos pedestres e preocupação nos motoristas. Imagina o problema que seria gerado, caso alguém atropelasse um dos membros daquela família de suínos. O dono dos porcos até então escondido por conveniência, certamente apareceria imediatamente para apurar a baixa e exigir uma indenização, calculada em quilos multiplicados pelo preço da tabela do mercado.
              Esse problema de animais como porcos e cavalos soltos em algumas ruas da Ilha do Governador está se tornando fato comum em alguns bairros e revolta os moradores pelo perigo que oferecem às crianças e idosos. Além do maltrato de que são vítimas, os animais ficam largados nas ruas para se alimentarem com os restos do lixo e correm sérios riscos de provocarem graves acidentes no trânsito.
              A medida mais correta a ser adotada pelas autoridades é ter um serviço permanente de proteção a esses animais que acabam sendo sacrificados, seja pelos maus tratos, principalmente os equinos que são surrados para servirem de montaria no asfalto e lavados na água salgada do mar. É desumano tratá-los dessa maneira estúpida e covarde.
              A população está revoltada com o que está acontecendo com esses animais cujas vidas são de permanente sofrimento apenas para proporcionar ganhos financeiros para alguns, e o prazer de cavalgar para outros. É injusto!  

sexta-feira, 24 de março de 2017

POPULAÇÃO DA ILHA É REFÉM DAS VANS ILEGAIS POR ABSOLUTA FALTA DE FISCALIZAÇÃO

Durante uma rara operação de fiscalização de vans no Cacuia, 
onde elas ocupam todo o espaço do ponto, uma mulher é 
obrigada a fazer sinal para ônibus no meio da rua

             Um dos assuntos mais recorrentes nesta coluna é o problema das vans que transportam passageiros na Ilha do Governador. Não sei como funcionam em outras regiões da cidade, mas na Ilha esse serviço é péssimo. Além de não obedecerem nenhuma sinalização de trânsito, essas vans embarcam passageiros em qualquer lugar, mudam trajetos para não perder passageiros, além de causarem uma tremenda confusão ocupando a totalidade dos espaços nos pontos de ônibus. É uma vergonha!
            A circulação de vans e kombis, principalmente as irregulares e em péssimo estado de conservação, ameaça a segurança dos passageiros e cria situações ameaçadoras no trânsito, como na quinta-feira (16), quando uma dessas vans piratas desrespeitou uma blitz e foi perseguida pela polícia, por cerca de três quilômetros, da entrada da Ilha até a Rua Antônio Nascimento, no Jardim Guanabara, onde parou depois de provocar um acidente.
            A tentativa de organizar o sistema de vans fracassou porque quase inexiste fiscalização. O esforço da Guarda Municipal, que na Ilha nunca contou com um contingente com mais de 15 agentes, é insuficientes para controlar mais de 500 vans que circulam a toda velocidade pela região. E uma fiscalização séria, deveria verificar apenas as condições dos veículos ou da habilitação dos motoristas, mas incluiria o funcionamento do cartão Riocard, equipamento que vergonhosamente não é aceito em muitas vans. 
           Estamos reféns das vans e de todo tipo de desordem urbana que os motoristas desses veículos provocam. Sem fiscalização permanente e a aplicação de medidas duras para controlar a circulação o perigo nas ruas vai piorar e a população continuará sendo a única vítima das vans. 
             Desprotegido, resta ao cidadão pedir a ajuda a Deus.

sábado, 11 de março de 2017

A RIBEIRA FOI O PRINCIPAL PALCO DOS BLOCOS DE RUA NO CARNAVAL

            Tenho que tirar o chapéu para o pessoal da Ribeira e do Zumbi em matéria de animação para o Carnaval. Foram treze blocos que se apresentaram durante os dias de carnaval nas ruas desses dois bairros. A Praça Iaiá Garcia foi o palco principal, cenário de início, passagem ou fim dos desfiles. Em alguns dias mais de um bloco desfilou pela regiã o e o ritmo da alegria não foi prejudicado, pelo contrário, muitos foliões se esgotaram pulando nos dois. Teve gente que começou de manhã e só parou à noite.
              Felizmente o clima de paz predominou durante todos os dias. A característica e diferença de cada bloco tornou cada desfile uma novidade. Enquanto Os 20 de Ouro do Mestre Odilon exibiu uma bateria formada por grandes nomes das principais escolas de samba da cidade, o Batuke de Batom, que se caracteriza pela união das diferenças, lembrou figuras infantis como o Sacy Pererê. Já o Vermelho e Branco foi a marca da imponência e tomou conta de muitas ruas com o recorde de público e a fama de ser o maior de todos.
            Até o som do rock teve espaço com a apresentação do bloco Block’Roll. A turma do ritmo pesado marcou presença exibindo um potente som que contagiou centenas de foliões roqueiros que curtiram durante a tarde e noite da terça de carnaval na praça. O reinado de Momo é democrático e mesmo quem normalmente prefere ritmos diferentes se divertiu com o som alucinante do rock.
            Os moradores do itinerário dos desfiles sofreram um pouco, mas muitos entraram no clima e se animaram nas sacadas aplaudindo os blocos. Já os comerciantes festejaram a fantástica massa de público que durante todo o carnaval movimentou os negócios. Finalmente, parabéns aos dirigentes dos blocos e aos foliões que realizaram um dos carnavais mais divertidos dos últimos tempos.