quarta-feira, 8 de julho de 2009

Van

Van irregular matou 4 crianças
Foi terrível o acidente em que quatro crianças, alunas do Colégio Pedro II de São Cristovão morreram, quando a van que as transportavam colidiu num reboque da prefeitura que dava assistência a outro veículo numa das pistas laterais da linha vermelha, sentido Duque de Caxias, logo depois da entrada da Ilha do Governador.
O impacto da notícia deixa todos nós apreensivos diante do provável envolvimento que cada pessoa tem com familiares, parentes e amigos com filhos sendo transportados por vans escolares diariamente. A tranquilidade que esse transporte oferecia foi quebrada pela percepção que alguns imprudentes ainda têm a coragem de realizar, profissionalmente, esses serviços, sem habilitação e em veículos inadequados como o do acidente que tinha os pneus carecas.
Há pouco tempo, uma leitora atenta, enviou carta ao Ilha Notícias denunciando o motorista de uma van escolar que realizava verdadeira roleta russa pelas ruas da Ilha. Lembro que ela disse que era verde a cor do veículo que se arremessava nos cruzamentos de modo irresponsável, para desespero da leitora que quase teve o seu carro atropelado pela tal van.
Carlos Alberto Rodrigues de Souza, 57 anos, motorista que dirigia a van sem autorização do Detran disse que não pôde evitar o acidente na quarta feira. “Não fui imprudente. Quando tentei desviar de um reboque da prefeitura, o ônibus que vinha atrás não me deixou evitar a colisão. Peço perdão aos pais, mas não me sinto culpado.” A imprudência entretanto matou quatro crianças e causou lesões sérias em outras seis.
É preciso que os pais exijam dos serviços de vans escolares todos os documentos atualizados dos motoristas e dos veículos, para evitar verdadeiros crimes como o desta semana. Também a fiscalização da prefeitura, sobre esses veículos precisa ser mais rigorosa. Quem faz o transporte escolar de modo sério vai gostar.
joserichard@uol.com.br