sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Salário mínimo e o lucro recorde dos banqueiros

Enquanto o salário mínimo do trabalhador não irá além dos 545 reais, valor que significa um aumento irrisório de apenas 0,37%, os bancos comemoram mais um ano com recordes de lucros. Uma coisa não tem nada a ver com a outra dirá um especialista. Todavia, o país é o mesmo e certamente boa parte dos lucros dos banqueiros é obtido, entre outras fontes, através das taxas cobradas dos correntistas que se arrebentam trabalhando.
Segundo informações divulgadas pela imprensa nesta semana, os cinco maiores bancos do país lucraram mais de 40 bilhões de reais em 2010. O Itaú – agora o maior banco privado – sozinho obteve um lucro de 13,3 bilhões no ano passado, 32,3% maior do que o ano anterior. O contraste é que até poucos meses atrás seus funcionários fizeram uma greve porque os banqueiros negavam reajustes salariais compatíveis com a inflação.
Embora legal é um absurdo o ganho extorsivo sobre o capital dos outros. O sistema bancário lucra em cima do dinheiro depositado pelos correntistas – pessoas físicas e jurídicas. Eu, você e todo povo brasileiro usamos os bancos para guardar as nossas eventuais economias e não recebemos nenhum trocado como contrapartida dos empréstimos lucrativos que os bancos fazem com a nossa grana. Pelo contrário, somos obrigados a pagar altas taxas e tarifas para que eles girem com o nosso, cobrando juros estratosféricos.
O pior de tudo é assistir o cinismo das más administrações que quebram alguns bancos e são socorridos pelo governo. Ninguém – os banqueiros - é protestado ou tem seu nome no Serasa. O último episódio foi com o Banco Panamericano do apresentador Silvio Santos, cujo prejuízo para os cofres públicos – através do envolvimento da Caixa Econômica - foi de mais de quatro bilhões. Não é justa essa farra dos bancos com o dinheiro suado dos trabalhadores e a conivência do governo.