sexta-feira, 20 de maio de 2011

Comércio de carros: uma nova vocação da Ilha

O desenvolvimento é fruto de fatores entre eles o empreendedorismo, ousadia e oportunidades. Negócios não nascem como capim. Mesmo em terra fértil. Sem empresários dispostos a apostar no sucesso através do investimento e trabalho não nascem atividades produtivas que gerem renda e empregos. As oportunidades surgem pelo movimento do mercado, cuja demanda, na maioria das vezes, só é percebida por raros empreendedores que as farejam no ar. Na metade das vezes eles acertam. Muitas vezes cabe aos governos criarem as oportunidades, flexibilizando normas e criando incentivos para motivar a instalação de novos negócios. Foi o que aconteceu há poucos anos quando a prefeitura criou regras especiais para estimular a atividade de venda de automóveis na Estrada do Galeão.
Alguém notou que empresas com esse tipo de atividade ocupavam diversos espaços na via e sofriam com todo tipo de dificuldades para se desenvolver. Era preciso fazer alguma coisa para dar musculatura a esse tipo de atividade. O prefeito foi sensível aos argumentos e flexibilizou o funcionamento das agências de automóveis em um trecho da Estrada do Galeão. O fato é que aos poucos essas atividades prosperaram e recentemente uma concessionária de veículos de origem chinesa se instalou na região e as vendas vão de vento em popa. Uma outra, de veículos coreanos, acelera as obras para inaugurar as instalações de uma loja. Esses são sinais de que a atividade de veículos agora precisa que sejam mantidas e ampliadas as condições para o crescimento. Novas oportunidades de emprego e a circulação de capital fortalecem a região que pode se transformar num pólo definitivo dessa atividade. Estes são os nossos argumentos para a Ilha se consolidar como uma das regiões onde o comércio de carros seja a nova vocação.