terça-feira, 21 de junho de 2011

Desordem nas ruas




O atual sistema de transporte de passageiros através de kombis e vans é uma piada. A desordem que se vê nas ruas da Ilha é constrangedora. Como explicar para crianças e jovens que a educação que recebem em casa e na escola não é praticada pela maioria dos motoristas e cobradores desses veículos? Como convencer os jovens que não é preciso ter medo para não ser conivente com o desrespeito que sofrem os cidadãos, sobretudo os motoristas de automóveis, desta aprazível Ilha? Tudo tem limite. Mas não há proteção para quem estiver disposto a desafiar a rotina de desrespeito imposta por mais de novecentos veículos que diariamente disputam passageiros, quase que no tapa. A maioria não obedece nenhuma regra de trânsito e os sinais fechados são uma roleta russa para os frágeis passageiros. Existem também veículos ilegais que trafegam nas sombras da noite e nos fins de semana para evitar eventual atuação das autoridades.

Existem pontos, como o do supermercado Mundial no Cacuia, do Bradesco no Cocotá e no final da Rua República Árabe da Síria, onde o tumulto provocado pela maioria desses veículos é uma vergonha. Nos três locais nunca vi um PM para impor a ordem. É inacreditável que isso ainda aconteça na cidade do Rio de Janeiro às vésperas de dois grandes eventos esportivos mundiais. Os ônibus e seus passageiros são praticamente ameaçados quando buscam estacionar nos pontos totalmente ocupados, muitas vezes em filas triplas, por vans e kombis. A irritação dos motoristas de automóveis e de ônibus chegou ao limite do estresse e da humilhação. Pretender o diálogo para melhorar o sistema parece missão impossível. Mas eu acredito!