sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

2012 reinicia e próxima agenda é a campanha eleitoral




É costume dizer que o ano começa depois do Carnaval. Digamos que sim, para aquela parte da população cuja renda permite gozar férias e viajar sem grandes preocupações com as tradicionais contas do início do ano, como IPTU, matrículas nos colégios, material escolar, IPVA e, sobretudo as despesas feitas em dezembro, por ocasião do Natal. Essas contas pesam bastante, principalmente no bolso do brasileiro que tem filhos em idade escolar. A facilidade do crédito é a armadilha que faz gastar mais do que ganhamos. Depois sofremos o ano inteiro correndo atrás para pagar juros que se multiplicam enquanto a dívida permanece inalterada perturbando nosso sono.

Na verdade, para a maioria, o ano começou há muito tempo e com muito trabalho. Já vamos para o início do terceiro mês de ralação, e fevereiro bissexto chega ao fim, como se fosse um meteoro.

O fato é que 2012 é um ano atípico por razões diversas. O mundo não vai mais acabar em dezembro, como foi anunciado, mas é ano de eleições municipais e de muitas obras – poucas na Ilha – por toda a cidade, nos preparativos para a Copa e Olimpíadas. E preparem-se, de julho a outubro, a cidade vira palco dos candidatos a prefeito e de cerca de 1500 a vereador, na festa da democracia que se repete nos anos pares.

A Ilha do Governador que cresce como uma próspera cidade avalancada por forças produtivas lideradas pelo estaleiro Eisa e um forte setor de serviços, vai comemorar neste ano a inauguração de um novo hospital de pronto-socorro cuja esperança é que venha melhorar o atendimento à saúde dos insulanos. Entretanto, a auto-estima da comunidade está garantida pela permanência da União da Ilha no Grupo Especial. Agora sim, o ano começou para valer. E bem!