sexta-feira, 9 de novembro de 2012

 
Existem esquemas para obrigar o uso do estacionamento no Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro
 

           As condições estruturais que os viajantes encontram no aeroporto Tom Jobim são péssimas. Imagino que o morador da Ilha que não viaja de avião pode não saber disso, mas saiba que é vergonhoso. O complexo aeroviário que ocupa pelo menos trinta por cento do nosso território deveria ser exemplo de funcionalidade de modo a tratar bem os visitantes, o que nada mais é do que uma obrigação de qualquer país. Um aeroporto feio e mal cuidado ninguém esquece e comenta prejudicando a imagem do Rio de Janeiro. É a primeira impressão que fica.
          Fora as escadas rolantes que não funcionam, as malas que desaparecem, o problema do estacionamento é terrível. Nesta semana fui receber um casal de amigos vindos do Rio Grande do Sul e fiquei muito envergonhado. É irracional que ninguém possa, de carro particular, apanhar passageiros no andar de desembarque. Coisa normal em qualquer aeroporto. Aqui, o motorista é obrigado a se dirigir ao estacionamento e os passageiros com suas malas pegar um elevador para descer e ir ao encontro do anfitrião, ter sorte de encontrá-lo, no estacionamento desorganizado e lotado com veículos sobre as calçadas e onde o carrinho que transporta as malas não se move diante de um piso cheio de buracos. Passei um sufoco para encontrar os amigos e tive obviamente que pagar o estacionamento.
          Então é isso. Além do assédio de cambistas e taxistas, é péssima a gestão, conservação e o abandono do aeroporto. No Terminal 1, principalmente, é covardia como tratam os passageiros e dos que vão buscá-los em carro particular. Como morador da Ilha, estou indignado que isso esteja acontecendo, pois prejudica, de forma humilhante, toda a população. Não sei até quando vai continuar essa agressão aos direitos das pessoas, mas o meu sentimento é de revolta e impotência diante dos esquemas no aeroporto.