sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Guarda Municipal decepciona a população

                  Tento entender o papel da Guarda Municipal na Ilha do Governador e chego a conclusão que é uma organização sem rumo. Criada principalmente para ajudar na organização do trânsito e proteger o patrimônio público, procede de modo confuso. O agentes agem como simples observadores, omissos ao cotidiano, e por outro lado atuam como vorazes produtores de multas cujas legalidade é contestada e nunca aceita por mais óbvios e convincentes que sejam os argumentos. Não há nenhum empenho no sentido de orientar os motoristas em suas eventuais dúvidas e faltas.
             Na Portuguesa onde há uma concentração de cracudos nas calçadas e sob as marquises das agências dos bancos, a guarda municipal faz que não vê e se exime da responsabilidade de conduzir os viciados ou mendigos para acolhimento no Centro Municipal Stela Maris, mesmo que essas pessoas estejam abordando de modo agressivo os cidadãos e cometendo pequenos furtos. A população demonstra decepção com o desempenho da guarda municipal e vê a instituição omissa e desconcentrada das suas importantes responsabilidades. Uma pena!
             Por outro lado, quando gente mal educada joga lixo na calçada, na frente do guarda, o sugismundo não é orientado nem advertido. Nos sinais e faixas de pedestres, idosos e deficientes não contam com a gentiliza dos agentes para orientá-los. Do mesmo modo, os guardas municipais ficam passivos e alheios as confusões geradas pelas vans que disputam passageiros aos gritos e causam confusões nos pontos de ônibus e no trânsito. É estranho esse comportamento alienado da GM.
             A maioria da população pergunta indignada, qual o papel da guarda municipal na Ilha? Esperamos que um choque de ordem revigore a corporação e que ela encontre rapidamente um caminho para atender, de fato, a população e esteja à serviço da cidade. 

joserichard@uol.com.br
www.twitter.com/joserichard