sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Na Ilha ainda falta luz, água e infraestrutura nas comunidades

            
           
A Ilha do Governador tem 33 km2 e pouca atenção nas comunidades 

            Eu gosto muito da Ilha do Governador e participo sempre, como jornalista, de quase todas as ações que possam melhorar a região. Concentro minhas atividades, há 37 anos, no Ilha Notícias e acompanho com interesse tudo que acontece na região. E, em razão das características da minha profissão, acho que conheço todas as ruas e lugares. Afinal, são mais de três décadas andando por aí para produzir matérias fazer fotos e publicar nessas 1658 edições do jornal.
            Mas confesso que estou bastante inconformado com o abandono da região. Sinto como se as coisas não tivessem mais comando e tenham se tornado quase que impossíveis de serem implementadas ou corrigidas. Tenho razões para estar cético. Leio diariamente as mensagens de centenas de leitores que reclamam da insegurança, sujeira, buracos e da falta constante de luz e água para viver e garantir o mínimo de conforto às suas famílias. Quando a prefeitura traz ao debate a mudança do PEU – Projeto de Estruturação Urbana – não acredito que a prioridade não tenha sido a urbanização das nossas comunidades. Comunidades onde hoje habitam mais da metade dos moradores da Ilha. Gente que sofre há bastante tempo de problemas recorrentes que nasceram da ausência de infraestrutura.
             No Quebra Coco gastaram dinheiro público fazendo enormes e ridículas rotatórias em esquinas onde só deve passar um carro a cada minuto. Enquanto em Tubiacanga, os moradores sofrem com cavalos soltos pelas ruas, carros queimados na estrada de acesso somados aos demais problemas que os outros bairros da Ilha penam. Sem contar o péssimo serviço prestado pela empresa de ônibus.  
             Enquanto a cidade muda para a Copa e Olimpíada, a Ilha está estagnada. Até o nosso aeroporto, que vai receber todas as delegações, não decola e está uma vergonha. Cada dia pior. A solução é agir e exigir mais atenção.