sexta-feira, 9 de maio de 2014

Paralisação foi contra o cidadão carioca

Os pontos de ônibus ficaram lotados e a população sofreu mais uma vez

              Essa paralisação dos rodoviários que provocou um caos na cidade, na quinta-feira (8), foi desastrosa para o Rio de Janeiro e para a população. Na verdade, todo mundo foi pego de surpresa com o tamanho da mobilização com piquetes e bloqueio de vias importantes em diversas regiões da cidade. Foi uma greve planejada para prejudicar a população e usar o transtorno causado ao povo como moeda de negociação para exigir aumento salarial. A questão salarial pode ser justa, porque os motoristas trabalham muitas vezes em condições sub-humanas, enfrentado uma rotina de congestionamentos, assaltos e fazendo dupla função quando são obrigados a dirigir e cobrar. Mas foi injusta porque nada disso justifica transformar a vida do carioca num inferno. 
              A maioria dos passageiros dos ônibus só ficou sabendo da paralisação quando chegou nos pontos e encontrou longas filas e uma multidão de pessoas nervosas e inquietas, todas reféns da atitude radical de um grupo que atropelou as decisões do próprio sindicato da categoria. Esse grupo contou com o apoio de uma grande estrutura e logística para impedir o funcionamento da cidade. Além disso, foram egoístas e sabiam que suas ações prejudicariam incalculável número de inocentes que dependiam de uma consulta médica marcada nesse dia, de estudantes que perderam aulas e pessoas que contavam com os ônibus para cumprir, em muitos casos, obrigações profissionais inadiáveis. Todos nós perdemos oportunidades que nunca mais teremos. Foi injusto! 
              A população não merece ficar refém de vândalos que apedrejaram centenas de ônibus, cujo prejuízo deverá sentido no desconforto da falta de frota nos dias seguintes.

joserichard@uol.com.br