quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Na campanha eleitoral das ruas, quase sempre o melhor candidato não é o que tem mais placas


O destino das placas irregulares é o lixo

               As calçadas e canteiros das ruas da Ilha, como de toda cidade, praticamente se transformaram em palco para exibição das propagandas dos candidatos às eleições. Isso é um procedimento normal e amparado na Lei Eleitoral que permite a colocação de placas, nesses locais no tamanho limite de 2x2 metros. Junto com outros instrumentos de divulgação política, como os programas de rádio e TV, as placas nas ruas são elementos para os candidatos divulgarem nome e número, de modo tornarem-se mais conhecidos . O fato negativo, que incomoda muitos eleitores, é a falta de cuidado de alguns candidatos que praticamente abandonam suas placas pelas ruas gerando a possibilidade de eventuais acidentes em função de rajadas de vento, colocando em risco os pedestres e motoristas.
              Quem escolhe candidatos usando critérios de eliminação, acredito, que vai riscar da sua lista muitos deles pelo descaso com o próprio material de campanha. O abandono de placas nas ruas deveria ser um dos fortes motivos para não receber voto algum. Ora se o sujeito não cuida e não toma conta das suas placas, como vai cuidar e ter atenção com os problemas da população. Aprendi que é nos detalhes, sobretudo, nos pequenos detalhes, que a gente conhece as pessoas. Desse modo, avaliar pelo relaxamento é um critério justo de eliminação de candidatos.
             Na verdade a placa na rua é um instrumento de propaganda institucional apenas para fixação do número do candidato. A escolha deve ser decidida através da avaliação das propostas dos candidatos. E isso é tão sério que muitas das coisas que vamos fazer no futuro dependem do resultado dessa eleição. São os políticos que vamos eleger que terão a responsabilidade de decidir por nós muitos dos caminhos que teremos que percorrer. Portanto, sugiro que você, caro leitor, estabeleça seus critérios e comece a analisar para quem vai dar os seus cinco votos.

joserichard@uol.com.br