domingo, 22 de março de 2015

Insegurança está incontrolável na Ilha



               Voltou a ficar incontrolável a falta de segurança nas ruas da Ilha. Desta vez parece pior. Relatos de moradores de quase todos os bairros da região assustam quem é obrigado andar nas ruas, a pé ou de carro. Além dos sequestros relâmpagos em diversos bairros - antes uma ação mais frequente no Quebra Coco -, a bandidagem está causando terror em motos onde agem em duplas. O medo e o sentimento de absoluta impotência tomam conta dos insulanos.
               Os assaltos estão sendo protagonizados por bandidos violentos que ameaçam de morte suas vítimas e que agem principalmente nos ônibus no trajeto em direção à Ilha e nas ruas da região. Segundo as pessoas assaltadas a origem dos bandidos é de fora da Ilha ou da Vila Joaniza, cuja quadrilha coordenada por traficantes é de outra facção diferente e inimiga da que atua nos demais morros da Ilha. Entre as vítimas há quem entenda que a intensificação das ações criminosas seria um plano para desestabilizar a facção que controla o tráfico da Ilha, cujo principal objetivo criminoso é assaltos na região. Preferem agir em outros setores milionários fora da lei, como gatonet, venda de gás, pedágio de kombis e vans.
               A PM que, segundo o comando, só planeja suas ações com base nos resultados estatísticos faz seu trabalho com informações atrasadas ou absolutamente equivocadas. Muitas vítimas não registram as ocorrências porque simplesmente não acreditam na recuperação de seus bens e valores saqueados pelos criminosos. As autoridades chegam a colocar a culpa nas vítimas por sua paralisia e falta de ação. E festejam quando seus índices de violência – homicídios e assaltos , por exemplo - ficam abaixo das falsas estatísticas. 
              Assim, vamos de mal a pior. Precisamos de polícia nas ruas. Agindo.

joserichard@uol.com.br