quarta-feira, 29 de abril de 2015

BANCOS AGEM SOBERANOS E SE LIXAM PARA A POPULAÇÃO



              Os grandes bancos estão se lixando para as dificuldades dos brasileiros e continuam arroxando nos juros. O noticiário econômico revela que o lucro dos banqueiros é fantástico e novos recordes são comemorados a cada trimestre. Não entendo e não concordo que o Brasil proteja instituições financeiras que cobram taxas e juros desproporcionais com a situação difícil que a população e empresas vivem neste grave momento econômico. A situação do país e do seu povo é complicada diante dos escândalos que repercutiram diretamente na economia, gerando dezenas de milhares de desempregados e o encerramento de muitas atividades produtivas.
             Nessa hora, a política financeira deveria ser de juros baixos para ajudar quem precisa manter a família, facilitando empréstimos em prestações suaves, enquanto o trabalhador não retorna ao mercado. Deveriam também financiar dinheiro barato para empresas em dificuldades para que possam resistir enquanto se reorganizam diante da catástrofe que atingiu a Petrobras e que nós não temos culpa.
             Mas ao contrário, a estratégia é subir os juros e colocar mais restrições ao crédito, a exemplo da Caixa Econômica que já aumentou os juros para compra da casa própria. É o desmanche da classe média que não consegue respirar com o sufoco gerado pelos aumentos na conta de luz, combustíveis e alimentos. O Brasil sofre enquanto os banqueiros festejam. Não é justo. 
             Pior, os bancos são omissos com a comunidade que o cerca e a prestigia. Eles tem 20 agências instaladas na Ilha e não participam da vida da região onde só contabilizam lucros. Não participam nem colaboram com nenhuma atividade social, cultural ou esportiva local. É triste que a estrutura econômica desse país seja tão injusta, favoreça os banqueiros e sacrifique tanto os demais brasileiros.

joserichard@uol.com.br