quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Péssimo serviço das barcas revolta usuários na Ilha do Governador

              
Moradores protestam durante reunião sobre as barcas

              O debate sobre as barcas realizado nesta semana com a presença do Secretário Estadual de Transporte Carlos Osório revelou que, neste ano, pouco deve mudar na operação do sistema de transporte por via marítima, sob responsabilidade da empresa CCR Barcas. Pressionado pelo representativo grupo de moradores, que não suporta mais o péssimo serviço, o secretário prometeu, politicamente, estudar todas as sugestões.
             Qualquer promessa feita durante o encontro deve ser entendida como uma mera boa intenção do governo em estudar a viabilidade das ideias, como é o caso de colocar novamente em funcionamento aEstação na Ribeira e construir outra no Fundão. O fato é que as autoridades não tem forças e coragem para exigir que a empresa ofereça um bom serviço à população apenas na Estação do Cocotá. O que dirá se a CCR vier a operar mais duas outras estações. Além disso, no momento não há barcas disponíveis e nem recursos para comprar novas. E isso é compreensível, diante das prioridades do governo estadual com a área da saúde e salários do funcionalismo. Pezão enfrenta a pior crise financeira de todos os tempos, principalmente em consequência da diminuição drástica dos royalties do petróleo somados a grave crise política e econômica. 
             Não tenho expectativas de mudanças, mas nutro esperanças de que as autoridades assumam um novo papel para melhorar o sistema de mobilidade urbana para acabar com o caos na Ilha e na cidade . Não entendo porque ainda não existe movimento para transformar as águas da Baía de Guanabara no grande polo de integração de transportes aquaviários, ligando cidades e bairros do entorno, onde vivem cerca de 5 milhões de pessoas que sofrem diariamente durante longas e cansativas viagens.  Um absurdo!

joserichard.ilha@gmail.com