sábado, 27 de agosto de 2016

REVITALIZAÇÕES URBANÍSTICAS MOSTRAM CAMINHO PARA INTERVENÇÃO NO CAÓTICO SISTEMA DE TRANSPORTE DA ILHA

Há alguns meses, passageiros das barcas foram obrigados
 a desembarcar entre as pedras da orla do Cocotá.
 Concessionária não tem interesse em melhorar o serviço
 e a segurança é apenas um dos problemas

            A revitalização da orla da Freguesia, cuja matéria é destaque nesta edição, provocou o resgate da autoestima dos moradores do bairro e já sinaliza na recuperação do polo gastronômico, que por muitos anos contou com diversos ótimos restaurantes e casas de shows, como Don Franguito e Tabuão, principais palcos do início da carreira do cantor Elymar Santos.
              Outras regiões da Ilha já foram revitalizadas recentemente, como a Praia da Bica e, há quase duas décadas, a área comercial da Portuguesa, com o Projeto Rio Cidade que modernizou o aspecto urbano da região, com a colocação das passarelas e os amplos calçadões que privilegiam os pedestres.
              Mais regiões da Ilha precisam de intervenções urbanas e um melhor planejamento do transporte público. Entretanto essa questão de mobilidade urbana ineficiente, já passou dos limites.
             É necessária, não apenas a revitalização do sistema de transporte na Ilha, mas uma intervenção, séria, intensa e corajosa, para tentar, também, resgatar a autoestima dos passageiros de ônibus, vans e principalmente das barcas.
            Trata-se de irresponsabilidade deixar as coisas como estão, simplesmente largadas nos ombros e sacrifício da população que é obrigada a viajar em ônibus sucateados, cujos trajetos estão ultrapassados e contam com poucos veículos. 
             Sobre as vans todos conhecem a desordem que provocam no trânsito, onde imperam, transgredindo todas as leis de trânsito com a conivência dos órgão públicos, no mínimo por absoluta omissão. 
             Já o serviço operado pelas barcas é o mais vergonhoso e ineficiente de todos. As autoridades públicas do Estado não tem nenhum controle sobre a concessionária que abusa em prejudicar os passageiros e só coloca embarcações nos horários e dias que podem gerar lucros.